A nota fiscal eletrônica e as novas tecnologias

A nota fiscal eletrônica e as novas tecnologias

O que lidera atualmente a lista de dificuldades na emissão da nova versão da NF-e é a falta de conhecimento dos códigos da organização

 

Por Marcelo Santos*
Os empresários brasileiros já se deram conta da necessidade e dos benefícios da tecnologia na redução dos custos e no aumento da competitividade. Mesmo nas microempresas, os softwares e a internet estão cada vez mais presentes. Entretanto, se por um lado o cenário é de avanços tecnológicos, que permitem a modernização e a agilidade dos processos, por outro, existem as obrigações, em especial as tributárias, que oneram e expõem os negócios das empresas ao risco, em todos os segmentos do mercado.
A Nota Fiscal Eletrônica – NF-e, por exemplo, trouxe um regime mais detalhado no preenchimento dos campos de dados, com o propósito de oferecer mais credibilidade às informações fornecidas pelas empresas à Secretaria da Fazenda – SEFAZ, além de possibilitar o cruzamento de diversas informações, aumentando a eficiência da fiscalização, a arrecadação e identificando mais facilmente casos de sonegação no ambiente do SPED.
O que lidera atualmente a lista de dificuldades na emissão da nova versão da NF-e é a falta de conhecimento dos códigos da organização, como a Nomenclatura Comum do Mercosul – NCM, Código Fiscal de Operações e Prestações – CFOP e a Classificação Nacional das Atividades Econômicas – CNAE. Por isso, se torna cada vez mais necessário conhecer detalhadamente todos os setores da empresa, as cadeias mercadológicas que englobam seus produtos e serviços, bem como a classificação tributária de cada produto.
De acordo com dados da 6ª Pesquisa IOB Folhamatic SPED, de 929 empresas pesquisadas, 10% já receberam notificações. É importante ressaltar que 45% foram originárias de obrigações eletrônicas do Sistema Público de Escrituração Digital e, em sua maior parte, foram recebidas nos últimos dois anos.
Sem dúvida, seguir as normas fiscais representa maior tranquilidade para o futuro. Com o propósito de auxiliar os empresários brasileiros na missão de evitar multas e autuações, a IOB Folhamatic, líder brasileira em softwares, educação e informação, recentemente integrada ao grupo britânico Sage, lançou no mercado o DropDrive NFe, uma ferramenta para armazenar e organizar as Notas Fiscais Eletrônicas. A ferramenta, que pode ser acessada de qualquer computador, traz várias vantagens que merecem destaque: em primeiro lugar, proporciona agilidade e praticidade na busca de documentos. Além disso, por meio da Cloud Computing, também conhecida como “Computação nas Nuvens”, é possível acessar quaisquer arquivos ou informações remotamente atrav&ea cute;s da internet a qualquer hora e lugar. Com o DropDrive NFe, é possível armazenar até 25 mil Notas Fiscais Eletrônicas gratuitamente e transmiti-las por e-mail, em formato XML e DANFE.
Considerando a evolução tecnológica do Fisco e o aperfeiçoamento das ferramentas de fiscalização, esse é mais um instrumento que o contribuinte pode utilizar para agilizar e simplificar o seu trabalho operacional e aumentar sua produtividade, compromissos impressos no DNA do Grupo IOB Folhamatic.
* Marcelo Santos é diretor de marketing da IOB Folhamatic.

Revista Incorporativa
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *