O desafio das pequenas e médias empresas na gestão de pessoas

Por Celso Bazzola

 

A participação da área de Recursos Humanos na visão estratégica da empresa surgiu de forma tímida no início dos anos 70, ainda como foco nas questões legais e sindicais. Porém, foi se modificando com o tempo, absorvendo os impactos das mudanças sociais, econômicas, políticas e tecnológicas do mercado.

Nos anos 90, após a abertura do mercado internacional, as empresas, para atingirem um nível maior de competitividade, passaram a perceber que o fator humano seria o maior diferencial ou causador das mudanças visando alcançar resultados. A partir daí a atuação dos Recursos Humanos passou a ser fundamental no avanço do desenvolvimento profissional, passando a valorizar as pessoas dentro de um processo de performance.

A Área de Recursos Humanos por este motivo viu-se obrigada a mudar seus conceitos e técnicas de desenvolvimento profissional nas empresas, graças à abertura e exigência de mercado que obrigou-as a mudarem seu posicionamento estratégico quanto aos desafios em preparar e motivar equipes para estarem engajados na busca dos melhores resultados a fim de alcançarem os objetivos da organização. Importante ressaltar que a atuação de Recursos Humanos não é um privilégio apenas para grandes empresas, mais também pode ser desenvolvido e implementado em empresas de pequeno e médio porte.

Nos dias de hoje o papel da área de Recursos Humanos deve focar ações para o desenvolvimento de pessoas; planejamento; busca de novos talentos; critérios de remuneração de acordo com resultados; tecnologia que garantam a mensuração de resultados; desenvolver fontes seguras de comunicação interna; conduzir e ter a percepção do clima interno; relações sindicais e trabalhistas, além de focar no desenvolvimento de competências técnicas e comportamentais, focados para resultados.

Relacionado a isto não podemos esquecer da satisfação pessoal e profissional de cada membro da equipe. É por isso que nota-se que em muitas empresas a área de Recursos Humanos não atua desta forma, algumas vezes por despreparo dos profissionais do setor e outras pela própria cultura da organização.

Hoje o mercado exige do RH um posicionamento estratégico dentro das organizações, voltado efetivamente para a gestão de pessoas e equipes para contribuir com os resultados da empresa. A partir da consciência de que sem pessoas qualificadas e motivadas a organização terá sérias dificuldades na retenção e atração de talentos, perdendo contato com seus concorrentes.

A área de Recursos Humanos, através de suas experiências e a importância de sua existência, poderá criar mecanismos que valorizem a capacitação e evolução pessoal voltando para obtenção de resultados, através de técnicas e ferramentas que mensurem a necessidade e momento desta formação para que os colaboradores alcancem resultados satisfatórios.

Neste momento nos deparamos com a situação: ter uma equipe de RH interno bem estruturado e funcional é apenas para as grandes organizações?

Esta percepção se deve ao fator que os custos fixos para manter toda estrutura de RH se torna um desafio para as pequenas e médias empresas nos quesitos: remuneração; encargos sociais; manutenção de tecnologia; espaço físico; entre outros, uma vez que a demanda destes serviços de RH não são constantes nestas empresas.

Portanto, após expormos as tendências de mercado nos dias de hoje em relação ao Recursos Humanos e sua atuação, submeto os leitores a uma reflexão sobre o tema, fazendo a seguinte pergunta:

Como ter um RH atuante nas empresas de pequeno e médio porte, que ajude nos resultados sem que os custos fixos internos aumentem consideravelmente?

Talvez se analisarmos de forma simplista, a resposta poderia ser “a minha empresa não necessita desta área” ou “não temos como mantê-la ativa devido aos custos adicionais que a mesma trará”. Nos dias de hoje as empresas de pequeno e médio porte encontram no mercado profissionais e empresas dispostas ou especializadas para suprir esta necessidade.

Com isto, as empresas podem ter por algumas horas no mês uma equipe de especialistas que poderão desenvolver os recursos humanos da empresa de pequeno ou médio porte com investimento abaixo do previsto, uma vez que estas empresas não fazem parte dos custos de folha de pagamento da empresa e ainda poderão absorver as demandas internas desenvolvendo seu RH.

Se esta idéia ou situação nunca foi avaliada por sua empresa é hora de pensar sobre esta possibilidade. Uma vez que as empresas especializadas oferecem este trabalho, além do conhecimento técnico possuem
know how e podem interagir constantemente com o setor, agregando maior valor nas ações internas de RH de sua empresa. Lembre-se que o mercado tende a ser cada vez mais veloz e, principalmente seus concorrentes…

A falta de políticas e ações bem definidas de recursos humanos pode levar sua empresa à perda de grandes talentos para o mercado e a reposição e treinamentos deste profissional poderão afetar nos custos operacionais e, em algumas vezes sobre o faturamento, principalmente para empresas deste porte – que sofrem com a concorrência de companhias de maior porte.

Saber avaliar o quanto vale desenvolver seus recursos humanos torna-se vital para o crescimento estruturado de sua empresa. Cada empresário deve analisar se esta ação é importante para obtenção de resultados.

O que posso afirmar é que o mercado de trabalho está cada vez mais competitivo – não só em relação a produtos, mas também na questão de retenção e atração de novos talentos..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *