Técnicas para desenvolver equipes de sucesso

Gerir recursos humanos em uma empresa é tão essencial quanto manter a infra-estrutura do local de trabalho e aprimorar os cálculos de aplicação e faturamento. Pensando nisso, algumas instituições têm investido em treinamento de equipes, partindo do pressuposto de que seu sucesso depende do desempenho de grupos. Com respaldo profissional, diversas técnicas e orientações auxiliam na formação adequada de equipes.

“Mas não é um trabalho simples. Para se trabalhar bem em equipe, é preciso treinar muito”, diz a consultora Maria Inês Felippe, que há mais de 20 anos atua na área de Recursos Humanos, Treinamento e Desenvolvimento, Marketing, Vendas e Gestão. De acordo com a especialista, que também é professora de graduação e pós-graduação da Faculdade Armando Álvares Penteado (Faap), regulamentos bem definidos e palestras são partes da resposta para o sucesso do desempenho das equipes em uma empresa.

Problema recorrente em algumas instituições, segundo Maria Inês, é a falta de reconhecimento dos funcionários. “Com muitas divisões de atividades, o empregado pode perder a visão de todo o funcionamento do trabalho. Se ele não identifica corretamente sua função, pode não haver comprometimento”, explica. Treinar equipes exige esforço e concentração em aspectos como esses.

Um pequeno guia de perguntas iniciais ajuda a diretoria de uma empresa a identificar a eficácia de seus funcionários quando trabalham em equipe. Quem ainda não aplica métodos de gestão de pessoas nas instituições pode fazer o seguinte exercício: reunir empregados e determinar, com eles, um objetivo comum. A partir daí, observar a equipe de maneira a perceber que estratégias e áreas ela está envolvendo, se distribui bem as funções e se determina um prazo para mostrar resultados. Claro que essa é uma fórmula geral, mas serve como bom ponto de partida para muitas empresas que ainda não se organizaram adequadamente para isso.

Segundo Maria Inês, é primordial que a diretoria crie a maior quantidade possível de canais de diálogo com os funcionários subordinados. “Há várias ferramentas para isso, entre elas a gestão participativa”, diz. Além disso, os encarregados pela liderança de grupos precisam se manter atentos, sempre pensando em melhorar integração entre as pessoas e em identificar as qualidades de cada participante. Apenas com acompanhamento e estabelecimento de perspectivas claras, uma empresa consegue estimular idéias novas e outras soluções entre os funcionários.

De acordo com a especialista, o empregado acostumado a receber ordens desenvolve passividade em relação ao trabalho. Por isso, a importância das equipes. “Em época de valorização de iniciativas, é necessário repensar os processos de trabalho que desenvolvemos nas empresas”, explica Maria Inês.

SOBRE MARIA INÊS FELIPPE

Formada em psicologia, pós-graduada em Administração de Recursos Humanos, Mestra em Criatividade e Inovação Aplicada pela Universidade de Santiago de Compostela (Espanha).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *