Gente bonita

MUITA GENTE BONITA

Às vezes, me divirto observando algumas empresas: em seus escritórios, muita gente bonita e bem vestida. Homens em impecáveis ternos e mulheres estonteantes circulam pelos corredores. Alguém pode perguntar o que há de errado com tudo isto. Não sei exatamente a resposta, mas que há algo errado, eu tenho certeza. Neste tipo de ambiente, a pose substitui o cérebro e a política, o merecimento. A empresa torna-se superficial e o foco é perdido. Perde-se a concentração no trabalho. Mulheres suspiram pelos bonitões e homens comentam junto à máquina de café sobre as gostosas da empresa. Muita fofoca, muita festa, muita intimidade, muito happy hour… e pouco trabalho. Muitas vezes, os próprios diretores e acionistas se inebriam com o ambiente. Uma executiva comentou comigo: “Mubarack, quando cheguei ao café da manhã no hotel onde fazíamos um curso, o presidente da empresa falou: que mulher cheirosa”. O que eu posso dizer para a constrangida executiva? Só posso lamentar que um idiota deste tipo seja escolhido para presidir uma organização. Não estou escrevendo um texto moralista, estou escrevendo um texto sobre negócios e um ambiente superficial, onde os próprios dirigentes fazem piadas imbecis com suas funcionárias (ou vice-versa) em nada contribui para a produtividade e para o lucro.

Obviamente, não estou defendendo que os escritórios estejam lotados de gente mal cuidada e mal vestida. Boa apresentação em todos os aspectos contribui para os negócios, mas o problema é o exagero. Além disto, há outra questão, pouco falada, delicada e muito relevante: muitos homens e mulheres “enfeitados” estão completamente endividados para pagar o luxo desnecessário. Profissionais com problemas financeiros não têm boa produtividade e novamente o foco é perdido. Dependendo do negócio, o próprio cliente se sente constrangido e o fornecedor estimulado a cobrar mais, afinal de contas as demonstrações de poder aquisitivo alto estão bem evidentes.

Equilíbrio é a palavra correta. Estar bem vestido significa discrição e adequação ao ambiente onde se trabalha. Uma professora de crianças com jeans, tênis e camiseta está muito mais bem vestida para sua atividade do que se fosse trabalhar de salto alto e vestido. A simplicidade é elegante, é inteligente e é um fator muito forte de produtividade. Ostentação é para idiotas, não para pessoas de negócios.

Paulo Ricardo Mubarack (consultor de gestão, qualidade, administração de pessoas, rh, iso9001 e autor do livro empresas nuas)

051 81 82 71 12

mubarack@terra.com.br

www.mubarack.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *